8 de abril de 2015 Trabalho Voluntário na Índia
Sabe quanto chega a hora de decisão, ou tudo ou nada, ou vai ou racha? Foi assim comigo. Eu era bancária, triste e estressada e somente mudar de emprego não bastaria para mudar minha qualidade de vida. Primeiramente saí do emprego, mesmo com todos os contras (criticas da família, dinheiro e etc) e depois segui para a realização de um sonho: trabalho voluntário em outro país, unindo oportunidade de conhecer uma nova cultura com experiência  pra lá de gratificante. Também optei por fazer trabalho voluntário ( e não somente mochilar por aí) porque senti necessidade de agradecer pela hospitalidade e por todas as experiências que tive nas minhas viagens de férias na época do banco. Isso é algo muito pessoal, e foi muito importante na minha vida.
Tudo começou quando em outro trabalho voluntário, no Peru (essa  experiência conto em um próximo post), conheci uma voluntária de uma ONG na Índia, ela viu meu trabalho com as crianças e meu gosto por música e me convidou para fazer parte do projeto da Índia. Inicialmente era pra dar aulas de música, mas acabei dando aulas de todas as matérias nas duas escolas fundadas pela ONG (dei até aula de Hindi, quando faltou professor…).
Priscila Mattos

O processo foi um pouco demorado, pois a ONG trabalha com indicações pra ter certeza dos interesses dos voluntários e não acabar recrutando por engano alguém com interesses desvirtuados.  Tive que enviar vários documentos e fazer entrevistas via Skype, e depois foi só comprar as passagens.  
A ONG fornece alimentação básica vegetariana de segunda a sexta e moradia simples com acesso a internet e não cobra nenhuma taxa! (essa é a parte mais legal, que me fez acreditar que a ONG é verdadeiramente honesta e sem fins lucrativos).
Priscila Mattos
O trabalho é bem puxado, todos os dias em período integral e sábados intercalados. O trabalho consiste basicamente em preparar aulas, dar aulas, orientar os alunos sobre higiene e comportamento, ajudar a limpar a escola, visitar as famílias dos alunos e controlar frequência dos alunos na escola. Um aprendizado incrível.
Priscila Mattos
A vida dos alunos é bem complicada se comparada aos nossos padrões, a maioria mora em áreas muito precárias, sem nenhum saneamento básico. E o mais interessante é que eles sempre estavam muito felizes, nunca se envergonhavam de me convidar para visitar suas casas, sempre me apresentavam suas casas com orgulho e até me convidavam para jantar, pois acreditam ter o suficiente para ser feliz. (olha o exemplo fenomenal) Uma vez eu mostrei a foto de uma favela em São Paulo, e eles acharam o máximo, perguntaram se eram ricos que moravam ali… É, a Índia tem uma realidade chocante para os ocidentais.
Priscila Mattos
Me apaixonei por tudo na Índia, a comida é maravilhosa, as pessoas hospitaleiras e as crianças da escola, ahhh…. elas me emocionavam todos os dias com suas histórias de vida e sua simplicidade.
Claro, como todo professor, tinha os meus alunos preferidos, essa aqui é uma delas, a Parvatti, a sua história é muito triste, quando ela tinha 2 anos o lugar que morava desabou, soterrando toda sua família, só restaram ela se seu irmão, hoje adotados pela ONG,  vivem na escola noite e dia.
A preciso contar também, completei 30 anos na Índia, olha só as cartinhas lindas que recebi das crianças!
Priscila Mattos
A roupa que se usa todos os dias é um quesito muito importante se você for trabalhar com essas comunidades. Procure sempre cobrir os ombros e o bum bum se sua calça for apertada. Nada de saias curtas e roupas sensuais, é necessário respeitar a cultura local quando vamos para qualquer lugar. Claro, se quiser usar as roupas típicas, melhor ainda!
Priscila Mattos

É importante ter o inglês razoável, pois toda a comunicação é em inglês, mas não precisa ser fluente, o importante é saber se comunicar.
Priscila Mattos
Nome da ONG:  One! international
Para mais informações sobre minha experiência, deixe aqui sua pergunta nos comentários.
Espero que tenham gostado

Até a próxima


Recentes

    Comente

    Seu email não será publicado.



    *

    1. Yasmin Graeml

      | 17 de julho de 2015

      Que sonho!! Quando fiz intercâmbio eu tinha uma amiga indiana, desde então estou louca para ir para Índia! Adorei a ideia de trabalho voluntário como professora! adoro crianças!
      http://www.naterradoscoalas.wordpress.com

    2. Priscila Mattos

      | 20 de abril de 2015

      Olá Alice!!! Fiquei 6 meses na India, em Mumbai. nunca sofri assédio de nenhum tipo, e olha que sempre q eu tinha um tempinho eu ia pra balada sozinha de taxi e voltava de madrugada a pé. Se foi só sorte, eu não sei, mas que muita noticia que chega sobre a Índia é manipulada, disso eu tenho certeza, só não entendo o motivo. Eu super apoio quem quer se aventurar por lá, vale muito a pena. Mesmo que não vá fazer trabalho voluntário, considero a Índia uma das melhores opções de turismo no momento. Minha dica é apenas ir com um inglês razoável, lá dificilmente irá encontrar alguém falando português ou espanhol, outra coisa é se preocupar com a vestimenta… essa negócio de igualdade dos sexos está bem longe de acontecer por lá, então para evitar olhares indesejados e xingamentos desnecessários, é legal se atentar a isso! Obrigada pela visita! 🙂

    3. Alice Batista

      | 20 de abril de 2015

      Olá Priscila, tudo Bom? Adorei toda a sua experiência, sempre sonhei em fazer trabalho voluntário a principio na África mas comecei a estudar sobre a Índia e pensar nas crianças que trabalham e no interesse que eles tem em estudar seja onde for. Comecei a rascunhar um projeto de subsistência como fazer hortas e fazer reciclagem já que é muito lixo e tudo fica jogado indiscriminadamente. Fiquei matutando maneiras de fazer a diferença, até tentei aprender bengali que é a língua regional da área onde eu pretendia ir mas além da língua eu acho extremamente cara a passagem e tem os riscos. Gostaria de perguntar se passou por alguma situação de perigo com assédio? Quanto tempo passou na Índia? Alguma dica para alguém que esteja pensando em se aventurar? Abraços querida.

    4. Priscila Mattos

      | 17 de abril de 2015

      Olá Larisse! Fiquei 6 meses lá! uma experiência maravilhosa! obrigada pela visita! um bjo

    5. Larisse Maciel

      | 17 de abril de 2015

      Uau Priscila, que história incrível! Parabéns pela sua iniciativa.
      Quanto tempo você ficou na ONG?
      Beijos,

      Larisse Maciel

    6. Priscila Mattos

      | 17 de abril de 2015

      Oi Débora! isso é verdade, uma hora é preciso atitude para mudar de vida, a família é a parte mais difícil de convencer, mas quando damos o primeiro passo começamos a ver os frutos. já estou preparando o próximo post… com curiosidades de lá! tenho certeza que vai gostar! um bjo

    7. Débora de Queiroz Moreira

      | 17 de abril de 2015

      Pris que trabalho maravilhoso! Sempre admirei/admiro pessoas que abandonam tudo! É necessário coragem e ainda por cima bater o pé diante de toda a família para poder dizer: É ISSO O QUE VOU FAZER! Quero ser muito assim no futuro, quero me formar e dar aulas para quem realmente precisa e observando o seu exemplo fico emocionada, pois a situação das crianças e da população me deixa entristecida, saber que o que tenho é MUITO próximo deles e ainda sou capaz de reclamar. Vou continuar visitando e caramba, conta mais detalhes sobre a Índia. Curiosidades, detalhes sobra a educação, costumes diferenciados. Fiquei animada para saber!

      Clichê de Escritora

    8. Priscila Mattos

      | 15 de abril de 2015

      Olá Nay!! sim, é gratificante, mas a mudança maior não é pra eles, e sim para nós mesmos. Sinto que mudei muito depois dessa experiência, e hoje busco ajudar a comunidade na qual faço parte em São Paulo também. um bjo

    9. Nay Luiza

      | 15 de abril de 2015

      Que o máximo, acho lindo quando vejo pessoas que gostam de fazer trabalhos assim! Eu não sei se faria, mas queria tentar um dia. Até agora o máximo que fiz foi doações, me senti feliz de fazer. Um trabalho voluntário deve ser muito gratificante, acho que você deve se sentir mais útil para o mundo, rs.

      Beijo! <3

      http://www.chadas22.com

    10. Priscila Mattos

      | 15 de abril de 2015

      Oi Pri!! vc pode fazer isso também!!! 🙂 um bjo

    11. Priscila Mattos

      | 15 de abril de 2015

      Obrigada! Isso é algo que podemos fazer em qualquer lugar, até mesmo onde moramos! Fico feliz em ter feito parte desse projeto, mas fico mais feliz ainda por poder dar continuidade no meu País também! se quiser detalhes, me envie um e-mail. abraços

    12. Pri Rodrigues

      | 11 de abril de 2015

      Que legaaaaaal. Fiquei muito feliz coma sua posição de largar tudo e viver por uma causa que valha como olhar pelo próximo. Te admiro demais…

    13. Priscila Mattos

      | 10 de abril de 2015

      Obrigada! se quiser conhecer mais a ONG, o nome é One! international abraços

    14. Priscila Mattos

      | 10 de abril de 2015

      Oi Sara! Você já pode! obrigada pela visita, um bjooo

    15. Anônimo

      | 9 de abril de 2015

      Parabéns Priscila ! Atualmente poucas pessoas dedicam o seu tempo para algo tão simples e gratificante.Tenho interesse como devo proceder

    16. Sara

      | 9 de abril de 2015

      Que máximo Priscila! Espero um dia poder ajudar a melhorar a vida dessas crianças assim como você.
      Beijos

    17. Anônimo

      | 9 de abril de 2015

      Parabéns Priscila ! Atualmente poucas pessoas dedicam o seu tempo para algo tão simples e gratificante.Tenho interesse coo devo proceder

    18. Lais Zorzi

      | 9 de abril de 2015

      muito legal!!! bela atitude

    19. Priscila Mattos

      | 9 de abril de 2015

      Olá Marcia! o nome da ONG é One! international. (é o one com a exclamação mesmo) um bjo

    20. Priscila Mattos

      | 9 de abril de 2015

      Obrigada Lais!!! você poderia ir tbm! será uma ótima experiência! um bjo

    21. marcia

      | 9 de abril de 2015

      Qual o nome da ong eu sonho em fazer um trabalho voluntário na Índia

    22. Lais Zorzi

      | 9 de abril de 2015

      muito legal!! bela atitude

    Explore

    50 reais barato Brasil dicas Foz Jericoacora nacional Porto de Galinhas Rio Ubatuba viagem viagens viajar

    Favoritos dos leitores